quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Porque se morre tanto de cancro em Alvalade

INTRODUÇÃO: 
Estávamos nos finais dos anos 70,encontrei o Dr. Fernandes junto ao café central, e por me questionar o que é que eu andava a fazer,  tive que lhe dizer que tinha ido à várzea do lado do rio Campilhas, apanhar uma caixa de tomate, que me foi oferecida por um amigo meu. E contei-lhe que tinha desistido de apanhar o tomate, porque era tanta a poluição dos produtos usados pelas avionetas que era quase impossível respirar. E ele só me disse isto: daqui a uns trinta anos a população de Alvalade está a pagar a factura.

Hoje lembro-me sempre desta sua  (maldição) observação !  Será que ele tinha razão?
 Como toda a gente sabe:

cancro é uma doença dos tempos modernos, mas com especial incidência nos grandes centros urbanos, com elevados índices de poluição industrial, da grande circulação de veículos automóveis, e onde a alimentação fast food é também mais significativa nos hábitos alimentares, etc.

Alvalade é uma freguesia rural, sem fábricas nem indústrias poluidoras, e com ar puro que se pensa ser puro. Uma terra, onde as pessoas fazem uma alimentação próxima ou igual à mediterrânica, consomem sopa, fruta, bom azeite, etc.

Mesmo assim já pararam para pensar que cerca de 90% dos óbitos em Alvalade são por doença oncológica???

Estará alguma coisa mal em Alvalade, que contribua para este elevado número de neoplasias malignas que todos os anos surgem entre a população e que vão 
levando massivamente os Alvaladenses???

- Será que as canalizações/condutas de fornecimento de água do centro histórico, antigas, obsoletas, a maioria ainda em fibrocimento (eventualmente com amianto, altamente cancerígeno) têm alguma influência nesta vaga mortal de carcinomas malignos entre a população Alvaladense?

Quem não se lembra das dezenas de pulverizações ANUAIS de químicos feitos através de avionetas que foram espalhadas pelas várzeas e terras de Alvalade, nas décadas de 70 e 80, para curar lavras de tomate e outras culturas, com produtos altamente tóxicos e alguns hoje proibidos pela UE?

- A incidência elevada de doenças oncológicas nos Alvaladenses será resultado do contacto directo com esta elevada quantidade de produtos químicos durante anos consecutivos?

-Estarão os nossos campos, as valas de rega,  riachos
, lençóis freáticos, etc, ainda infestados com esses produtos químicos, e terá isso alguma influência na cadeia alimentar local?

-Também terá efeito as dezenas de quilos de chumbo que podem estar nas terras Alvaladenses, da vaga quase desenfreada da caça e o grande número de caçadores que durante décadas calcorrearam cada palmo de terreno da freguesia, atrás de uma lebre, de um coelho, uma perdiz, etc, disparando cargas de chumbo contra tudo o que mexia, etc?

E esse chumbo dos caçadores espalhado nos campos e agora em decomposição, que escorre para os riachos, valas, etc, lençóis-freáticos, terá alguma influência nefasta na cadeia alimentar local?


- As indústrias poluidoras de Sines, terão algum impacto no ar que se respira em Alvalade? 
Chegarão a Alvalade, com os ventos, micro-partículas prejudiciais para a saúde, das indústrias de Sines?

Será tudo isto especulação  ou não?

Alguém parou, para pensar nisso a sério?

A única certeza é que, aparentemente e inexplicavelmente, parece que vamos MORRER QUASE TODOS DE CANCRO EM ALVALADE!  Uma terra rural, e sem indústrias nem pesadas nem leves, nem outras fontes poluidoras!


Tudo o que escrevo aqui são apenas suposições sem qualquer prova cientifica...