quarta-feira, 8 de agosto de 2012

E Vejam:Políticos e gestores: os salários milionários de Portugal


O salário médio no nosso país ronda os 900 euros. Mas há portugueses que conseguem ganhar bem mais com esta crise. Damos-lhe a conhecer as figuras que lideram a lista dos salários milionários em Portugal.

O caso mais curioso recai sobre Alberto João Jardim. O presidente do Governo regional da Madeira - que já veio dizer que os mais de cinco mil milhões de euros de dívidas que a região autónoma colecciona são «coisa pouca» - arrecada quase 10 mil euros por mês. Praticamente o mesmo que Cavaco. Jardim é pensionista desde 2005 e os descontos efectuados ao longo da vida - a maioria enquanto líder madeirense - não lhe permitem auferir muito mais do que 4.000 euros mensais. Contudo, e pelo cargo de presidente regional, Jardim arrecada mais 5 mil euros todos os meses, avança a revista «Focus».

Esta acumulação de salários pode causar estranheza a muitos, já que no continente, o líder teria de escolher entre receber um terço da pensão ou um terço do salário a que tem direito. No entanto, o estatuto político-administrativo da Madeira permite-lhe somar os dois vencimentos.

Veja-se o caso do Presidente da República. Cavaco Silva comunicou, no início do ano, que abdicaria do seu salário como Chefe de Estado. No seguimento desta decisão pessoal - e depois de sofrer dois cortes salariais - à semelhança dos cidadãos na mesma situação, Cavaco viu o seu salário chegar aos 6.523 euros. Depois de saber que ia ser difícil acumulá-lo com a reforma, decidiu escolher os 10 mi euros que aufere da Caixa Geral de Aposentações, visto que trabalhou para o Banco de Portugal e foi professor na Universidade Nova de Lisboa.

Longe da política está Jorge Coelho. O presidente-executivo da Mota Engil - e ex-ministro de António Guterres - ganha mais de 50 mil euros por mês. Em 2006, Jorge Coelho dedicou-se exclusivamente à actividade empresarial, quando foi convidado pela Mota Engil, uma das empresas líderes do sector da construção, para ocupar o cargo de presidente executivo. A vida mudou e o salário também. Em 2009 Jorge Coelho auferiu cerca de 702 mil euros. Pouco tempo depois, já recebia 50 mil euros de vencimento mensal.

Pedro Santana Lopes, vereador e presidente da Santa Casa da Mesericórdia de Lisboa (SCML) aufere mais de 5 mil euros mensais. O ex-secretário de Estado recebe de pensão por este último cargo, cerca de 3.178 euros por mês. Em 2010, Santana Lopes pediu a subvenção vitalícia a que tem direito como ex-deputado, que lhe permitiu somar dois mil euros por mês ao vencimento mensal. Devido a estas compensações, Santa Lopes informou que abdicará do salário decorrente do cargo que irá ocupar como provedor da SCML. Ainda assim, no total, o vereador aufere cerca de 5.178 euros por mês.

O presidente executivo da PT, Zeinal Bava recebeu, o ano passado, 1,41 milhões de euros, sensivelmente, 100 mil euros por mês. Este valor corresponde a remunerações fixas do presidente executivo, mas representa menos 44% face ao embolsado em 2009.

Enquanto presidente da EDP, António Mexia atinge os 75 mil euros de vencimento mensal. Em 2010, o líder da EDP auferiu 1,05 milhões de euros em remunerações anuais.

Mas os ordenados chorudos não ficam por aqui. Fernando Pinto, presidente da TAP, é o gestor público mais bem pago do país, apesar de ser brasileiro.

O presidente do Conselho de Administração da TAP recebe um total de 27 mil euros mensais, apesar de ter sofrido um corte de 10% no seu salário, correspondente à medida de cortes nos salários da função pública. Até então, Fernando Pinto mantinha um salário estável. Por 12 anos consecutivos, manteve o feito. À época, amealhava mais de 400 mil euros mensais. Actualmente, recebe menos 42 mil euros, o que totaliza 378 mil euros anuais, qualquer coisa como 27 mil euros mensais.