segunda-feira, 7 de novembro de 2011

António Mexia: "corte nos subsídios é normal"(Pois, mas só para alguns)


O presidente da EDP afirmou esta quarta-feira que a suspensão do subsídio de férias e de Natal para a função publica e pensionistas "é normal" numa altura em que é essencial "uma consolidação orçamental".

António Mexia, que falava à margem do congresso dos economistas em Lisboa, onde foi orador, afirmou que o Orçamento do Estado para 2012 "cria condições para a consolidação orçamental" e que "se preocupa com o essencial".  
Para o presidente da EDP, "todos gostaríamos de ver outras coisas mais positivas mas a austeridade é absolutamente indispensável num País que há varias décadas consome mais do que produz".  
Mexia considera que existe "um esforço equitativo" no OE2012, ao contrário do que afirmou no mesmo fórum o Presidente da República. Cavaco Silva disse na abertura do congresso dos economistas que "há limites para os sacrifícios" e que o Orçamento do Estado para 2012 tem "falta de equidade fiscal".  
O presidente da EDP afirmou também que não vai suspender os subsídios de férias e de Natal aos trabalhadores da empresa.  
António Mexia disse aos jornalistas que não iria adoptar o que o Governo decidiu para a Função Pública, no Orçamento do Estado para 2012, por "não fazer sentido".  
Para o presidente da EDP, os trabalhadores da empresa "estão a cumprir os seus objectivos e são bastante competitivos e produtivos".  


Enfim falta de uma coisa que me está a ocorrer!

Comentários :

... : Farto
E os milhões que ele recebe em prémios também estão na normalidade?
Mas se esta pessoa é o tal gestor "fantástico" (a gerir o monopólio EDP, claro), porque é que não se vai embora e deixa-nos em paz aqui em Portugal. Ao menos não teria de o ouvir.
19.Outubro.2011
... : Juiz
Caros amigos, contem até 10 e respirem fundo... vale mesmo a pena conspurcarem a vossa boca com "Mexia" só para replicarem à criatura? Acreditem: novos-ricos são assim por toda a parte - não devem nada à cultura nem ao humanismo.
19.Outubro.2011
... : Juiz
Uma palavrinha de apreço ao Webmaster, que se anda a esfalfar para não nos privar de todos os ecos das misérias que atingem este nosso mal afamado burgo.
19.Outubro.2011
... : Johnnie Walker
Se pudesse eu "mexia" no gordo salário deste senhor. Veríamos depois o que dizia.
19.Outubro.2011
... : tenha vergonha
Pois, diz uma coisa e faz outra. Grande lata a deste senhor.
19.Outubro.2011
... : André M.
Para quem aufere 380.000 euros por ano e alegadamente gere uma empresa que recebe subsídios do Estado por causa das energias renováveis, não está mal. Aliás, é interessante ver que o "sucesso" destas grandes empresas e mesmo de muitas privadas é o servidouro do Estado, mas depois, claro, são "privadas", "produzem riqueza para o país", mas essa riqueza advém em primeiro lugar dos negócios chorudos e pouco transparentes que fazem com o Estado que lhes paga a existência.
Pimenta no .... dos outros ...
19.Outubro.2011
... : Orlando Teixeira : http:// olteixeira@gmail.com
Boa Noite

Manual de Direito Administrativo II, edição de 1980, pág. 759, da autoria do Prof. Marcello Caetano: Uma redução de vencimentos "... importaria para o funcionário uma degradação ou baixa de posto que só se concebe como grave sanção penal", como bem lembra o prof. Luís Menezes Leitão.
Se este Senhor era fascista, os de agora são o quê?
Qual a diferença de então para os tempos actuais? A PIDE? Mas não estão o SIS e a PSP a escrutinar as manifestações, as reuniões que se vão fazendo, em busca de focos que destabilizem o Governo? E não era essa a desculpa que então se usava para justificar a PIDE e as suas acções?
A Partidocracia é uma forma similar ao fascismo, onde através de um embuste que é o voto, se cria ao cidadão a convicção que o seu voto é muito importante e que ele, cidadão, é ouvido e conta para quem nos governa.Após serem eleitos é malhar até fartar, que eles é com enorme sacrifício que assumem cargos políticos.
Só as moscas mudam, na nobre arte de m***r na t**a da porca, como muito bem ilustrava Bordalo Pinheiro.
Com tantos cargos que detem, como raio este senhor advogado pode achar e sentir o penar dos tontos que ainda depositam em cada eleição o seu voto?
Claro que é normal! Anormal seria todos pagarem o seu quinhão. Se os deputados e os políticos de carreira não pagam, os do Banco de Portugal já estão excluídos das medidas, tudo isto é normal.
É a profunda desilusão, frustração e amargura que ditam estas linhas, que por certo muitos igualmente sentem.
Respeitosamente
19.Outubro.2011
... : Contraosmexias d'Aventais
É vê-los, ouvi-los e conhecê-los... Todos os perus têm o seu Natal Se as coisas continuarem a agravar-se, como é provável, pode ser que o deste não tarde. 
19.Outubro.2011
... : Economista de bancada
Já contei até 10... e não resultou.

"Coesão nacional", quando se vai de excepção em excepção...

Já agora, um imposto de solidariedade, permanente e não transitório, sobre os milhares do ordenado do Sr. era o mínimo.