terça-feira, 15 de julho de 2014

E Prevenir a saúde, .... não se morre do mal , morre-se da cura!

     

O senhor Tonico estava bem de saúde, até que sua esposa, senhora Marocas, a pedido de sua filha,  Totinha, disse:
-Pai vais fazer 70 anos, está na hora de fazer um check-up com o médico.
- Para quê, se estou me sentindo  bem!
-Porque a prevenção deve ser feito agora, quando tu ainda te sentes jovem, disse  a mulher.
Então o senhor Tonico, foi ver um médico. O médico, sabiamente, mandou-o fazer testes e análises de tudo o que poderia ser feito e que o Serviço Nacional de Saúde cobrisse.

Duas semanas mais tarde, o médico disse que os resultados estavam muito bons, mas tinha algumas coisas que podiam melhorar. Então receitou:

Comprimidos Atorvastatina para o colesterol

Losartan para o coração e hipertensão,

Metformina para evitar diabetes,

Polivitaminas para aumentar as defesas.

Norvastatina para a pressão,

Desloratadina em alergia.

Como eram muitos medicamentos, tinha que proteger o estômago, então ele indicou Omeprazole um diurético para o inchaço.
O senhor Tonico foi à farmácia e gastou boa parte da sua reforma em várias caixas requintadas e de cores sortidas.
Nessa altura, como ele não conseguia se lembrar se os comprimidos verdes para a alergia deviam ser tomadas antes ou depois das cápsulas para o estômago e se devia tomar as amarelas para o coração antes ou depois das refeições, voltou ao médico. Este lhe deu uma caixinha com várias divisões, mas achou que o senhor Tonico estava tenso e algo contrariado. Receitou-lhe, então, Alprazolam eSucedal para dormir.
Naquela tarde, quando ele entrou na farmácia com as receitas, o farmacêutico e os empregados  fizeram uma fila dupla para ele passar , enquanto eles aplaudiam. 
Tonico, em vez de melhorar, foi piorando. Ele tinha todos os remédios num armário da cozinha e quase já não saia  de casa, porque passava praticamente todo o dia a tomar as pílulas.
Dias depois, o laboratório fabricante de vários dos remédios que ele usava, deu-lhe um cartão de “Cliente Preferencial”, um termómetro  um frasco estéril para análise de urina e lápis com o logo-tipo da farmácia.
Tonico teve  azar e arranjou  um resfriado. Senhora Marocas, como de costume, fez ele ir para a cama, mas, desta vez, além do chá com mel, chamou também o médico.
Ele disse que não era nada, mas prescreveu Tapsin para tomar durante o dia e Sanigrip com Efedrina para tomar à noite. Como estava com uma pequena taquicardia, receitou Atenolol e um antibiótico, 1 g de Amoxicilina. A cada 12 horas, durante 10 dias. Apareceram fungos e herpes, e ele receitou Fluconol com Zovirax.
Para piorar a situação, Tonico começou a ler as advertências de todos os medicamentos que tomava, e  ficou sabendo todas as contra-indicações, , precauções, reacções adversas, efeitos colaterais e interacções médicas.
Leu coisas terríveis. Não só poderia morrer, mas poderia ter também arritmias ventriculares, sangramento anormal, náuseas, hipertensão, insuficiência renal, paralisia, cólicas abdominais, alterações do estado mental e um monte de coisas terríveis.

Com medo de morrer, chamou o médico, que disse para não se preocupar com essas coisas, porque os laboratórios só colocavam para se isentar de culpa.
- Calma, senhor Tonico, não fique aflito, disse o médico, enquanto prescrevia uma nova receita com um antidepressivo Sertralina com Rivotril 100 mg. E como Tonico estava com dor nas articulações mais  Diclofenac.
Nessa altura, sempre que Tonico  recebia a reforma, ia directo para a farmácia, onde já tinha sido eleito cliente VIP.
Chegou um momento em que o dia do pobre   Tonico não tinha horas suficientes para tomar todas as pílulas, portanto, já não dormia, apesar das cápsulas para a insónia que haviam sido prescritas.
Ficou tão mal que um dia, conforme já advertido nas indicações dos remédios, morreu.

No funeral tinha muita gente, mas quem mais chorava era o farmacêutico.
Agora a senhora Marocas diz que felizmente mandou o marido  ao médico e na hora, porque se não, com certeza, ele teria morrido antes.

Conclusão: não se morre do mal ....more-se da cura!