sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Mais uma medida economicista, que levará ao desmembramento da C P.

                       

                                                                                                                                                                   O governo prepara-se para dar uma machada na C. P.. São elas a supressão de várias linhas mais acentuado no interior do País, cerca de 450 quilómetros. Paralelamente serão suprimidos mais umas centenas de postos de trabalho. Em vez de dinamizar e aumentar o transporte ferroviário, os indivíduos que têm estado no poder nos últimos anos investiram nas auto-estradas que como se previa passaram a estar ás moscas.Se se concretizar a previsão do preço do barril de petróleo para uma média de 100 a 120 dólares o barril nos próximos tempos , isto mais a crise financeira que se instalou para ficar, levará as Estradas de Portugal a ter prejuízos cada vez maiores. Hoje nota-se bem os milhares de utentes que utilizam as alternativas ás auto-estradas.No futuro o transporte automóvel estará cada vez mais condicionado, devido à crise dos combustíveis fósseis, que tenderá cada vez mais agravar-se. Pessoalmente não acredito que os governantes não vejam que será assim, só que interesses económicos e obscuros  os forçam a agir assim. O que se investiu em auto-estradas, fosse investido nos caminhos de ferro, com vias duplas ou triplas de Faro ao norte do País e paralelamente se fosse dinamizando uma política de empenho no uso dos transportes públicos, o País estava-se a preparar para o futuro,e a evitar o caos que é o transito automóvel na periferia e dentro das grandes cidades do País,  em lugar de estar a criar elefantes brancos que a médio prazo estarão moribundos e contabilizando enormes prejuízos.
O transporte rodoviário não tem futuro. Os combustíveis à base de petróleo serão num tempo,  não muito longínquo usados para a produção de bens essenciais, tais como a produção de alimentos.Quando um dia se escrever a história dos últimos decénios não haverá uma única frase a enaltecer os políticos que viveram e nos desgovernaram ... neste tempo.