sábado, 16 de maio de 2009

Alvalade Sado quer ser sede de concelho


Esta Noticia é do ano de 2001, quando o Zé Figueira era presidente da junta de Freguesia de Alvalade! Mas devia-se insistir mais no assunto.......Alvalade a Concelho...Também seria interessante saber se o actual presidente da junta de Freguesia de Alvalade, seria capaz de continuar a insistir nisto?....................

O presidente da Junta de Freguesia de Alvalade Sado (no concelho de Santiago do Cacém), José Capela, quer ver a sua freguesia ascender a sede de concelho e nesse sentido pretende inscrever, ainda este ano, a mesma freguesia na Associação Nacional de Freguesias com Aspiração a Concelho.


Apesar das vozes criticas que o têm acusado de estar a lançar a sua re-candidatura àquela junta de freguesia alentejana e de estar a prometer o céu, o autarca nega qualquer envolvimento político nesta questão argumentando que se devem distinguir as duas coisas, pois “não se pode misturar a política com os desejos de Alvalade e dos alvaladenses”.

Ciente das dificuldades que este tipo de processo acarreta o autarca diz que pode “até demorar 100 anos mas há que dar o primeiro passo”, um passo que pretende “movimentar a população e criar algum bairrismo que neste momento está adormecido”. Ao mesmo tempo seria o culminar do adquirir a identidade perdida, “e o regresso aos tempos áureos da povoação”.

Recorde-se que a freguesia foi sede de concelho até ao ano de 1836, ano em que veio perder o titulo para Santiago do Cacém.

José Capela diz que a criação do concelho de Alvalade Sado, traria benefícios económicos e sociais para aquela localidade. É que desde a extinção das fábricas de transformação de descasque de arroz e da conserva de tomate a população vive essencialmente da agricultura e de alguns serviços. A elevação a concelho seria uma oportunidade de trazer algumas unidades industriais para a terra, desenvolver a agricultura e instalar serviços que proporcionem a criação de emprego à população.

José Capela acrescenta que se pertencessem a um concelho do interior, que seria o caso, se Alvalade viesse a ser sede de conselho, a produção agrícola seria mais subsidiada, os seguros seriam mais benéficos, as empresas que ai se instalassem seriam mais beneficiadas em termos de impostos e consequentemente seriam incentivos para a fixação de população que segundo o mesmo “desceu em 20 por cento segundo os resultados preliminares dos últimos censos”.

O desejo de ver a sua freguesia elevada a concelho passa ainda pelo intento de ver a mesma autónoma administrativamente, pois queixa-se que tal como em outras freguesias estas são remetidas a um papel secundário, sentindo-se relegado para segundo plano “pois existe uma preocupação maior com a própria sede de conselho”.

No que diz respeito à criação de infra-estruturas base, obrigatórias para se ser elevada a sede de concelho o autarca não se mostra preocupado acrescentando que muitas dessas infra-estruturas teriam de ser criadas após a elevação.

A ser criado o concelho de Alvalade Sado, José Capela, defende a integração das freguesias rurais do concelho de Santiago do Cacém como são os casos da própria localidade, Ermidas Sado, S. Domingos e algumas localidades do concelho de Odemira, “que estão muito distantes da sua sede de concelho e próximas de Alvalade”. Uma situação que acredita não seria muito bem vista pelos dois concelhos.

No que diz respeito à população de Alvalade, este diz que está dividida, “há quem entenda que isto é oferecer o céu mas uma grande parte mostra-se satisfeita com a tentativa e com os passos que têm vindo a ser dados”.

Quando inscrita, Alvalade passará a ser a 82ª freguesia inscrita na Associação Nacional de Freguesias com Aspiração a Concelho onde figuram ainda, do distrito de Setúbal, freguesias como Samora Correia, Baixa da Banheira, Pinhal Novo, Amora, Azeitão e Costa de Caparica.