sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Eleições: Indecisos









Tenho pouca consideração pelos votantes que, neste momento, se confessam indecisos entre votar por esta Coligação governamental ou contra ela. Admito que em circunstâncias especiais, quando um qualquer governo, no seu mandato, fez coisas boas, assim-assim e más, que um Cidadão, dotado de um quociente intelectual razoável, possa ter dúvidas.

Neste caso, tais razões não existem, pura e simplesmente.

Este governo expulsou a juventude, sacrificou o ensino, abastar…dou e achincalhou a justiça, imolou e condenou à miséria os velhos, fez crescer inimaginavelmente o desemprego, aumentou em milhões a dívida, abastardou a negociação do trabalho, colocou os trabalhadores da Função Pública contra os trabalhadores da Função Privada, vendeu a particulares alguns dos activos mais significativos do Patrimônio Público, ignorou olimpicamente os agentes culturais, tentou vender obras de arte que integravam acervos nacionais e fez tábua rasa de TODAS as suas promessas eleitorais.

Que mais é necessário para demover os “indecisos” ?

Claro que haverá sempre numerosos Cidadãos a votarem na Coligação governamental : os que vivem dela ou à sua sombra ; os que imaginam , um dia, poder viver dela ou à sua sombra ; os que dependem de favores, de pressões, de empenhocas ; os “videirinhos” sem coluna vertebral e sem um pingo de dignidade ; os que se habituaram a receber do Poder instalado aquilo que são incapazes de conquistar por méritos próprios.

E ainda os que , por debilidade de vontade e de capacidade analítica, estão , quais “patetas das luminárias” , absolutamente rendidos ao circo mediático da caverna do Ali-Babá, que promete para amanhã o Paraíso, depois de ter dado a todos ontem o Inferno.

Os “indecisos” só podem ser , neste momento, débeis mentais.

Amadeu Homem

Falta acrescentar que este senhor é professor catedrático  da universidade de Coimbra…e escreveu estas “palavrinhas” no seu blog em 1/09/2015.