quinta-feira, 3 de maio de 2012

Os assaltos em Alvalade, já são uma constante.

   









Uma imagem que passará a ser normal


As pequenas terras do país e no interior estão a ser completamente postas ao abandono. Vou-me referir a Alvalade-Sado, uma terra que por força das circunstancias terá que ter futuro. Tem bons terrenos para a agricultura,servida por razoáveis meios de transporte....linha férrea, IC 1 e auto- estrada a poucos quilómetros. Toda a freguesia está coberta pelo regadio, boas várzeas  no Sado e no Campilhas. Já teve alguma industria na transformação de produtos alimentares, mas  estão encerradas.Hoje não tem nada....está totalmente ao abandono.Transformar-se -à , a curto prazo num aglomerado de idosos e pouco mais. Nos serviços mais necessários a cidadãos de hoje, tal como imaginamos uma sociedade moderna, está carente de quase tudo. 
Saúde: temos um hospital a 40 e tal quilómetros, o que perfaz numa ida e volta aproximadamente quase noventa quilómetros.
O Posto de saúde local só funciona no horário diurno e com apenas um médico. Que está sempre a abarrotar de pessoas para serem consultados. 
A maior parte destes utentes têm reformas que mal lhe dá para comprar os remédios que necessitam.
No apoio social verdade seja dita e por empenho de alguns carolas está razoavelmente servida.
O que é o S.O S destas pessoas.
Mas o que está a preocupar a maioria dos habitantes é a segurança. Raro é o dia que não há assaltos a residências,  até na rua e em pleno dia. Por muita vontade que os poucos elementos do Posto da G.N. R. local tenham, não podem fazer nada, porque são poucos.


São menos de metade do que um antigo presidente da Republica tem só para ele.
Refiro-me ao ex-presidente da Republica Dr. Mário Soares, que há dias na Antena Um, ouvi que tinha 14 policias por sua conta.
Se ele tem 14 policias para guardá-lo a si e ás suas múltiplas residências,presumo que o mesmo se passará com os outros antigos presidentes. O que multiplicado por quatro (se não estou em erro,já que não me fixei muito nestas personalidades) dará 56 policias e guardas republicanos só para estes senhores.
E segundo o livro -Policia à Portuguesa de Fernando Contumélias e Mário Contumélias, centenas de policiais estão ao serviço de políticos e oficiais superiores,quando deviam de estar era ao serviço da segurança dos cidadãos.
Este livro tem como sub-titulo: um retrato dramático. O que eu pessoalmente traduzo: a segurança dos Portugueses  já é dramática.   
Se juntarmos a isto o envio de forças de segurança para Timor e outros locais, teremos que concluir que para quem nos tem governado e governa, tem pouca importância a segurança dos portugueses.


Já depois de publicar esta mensagem tive acesso a algumas reacções da parte da Casa do Povo,e da Junta de freguesia a propósito da situação vivida actualmente nesta terra.A primeira, que com oportunidade publicava no seu site o seguinte:



ALVALADE - UMA VILA INSEGURA - QUEM LHE ACODE?
Um dos nossos Associados, enviou-nos a mensagem que a seguir trancrevemos:

""Na semana passada, os ladrões “visitaram”a AURPIA de onde levaram vários
géneros alimentares.

No fim de semana desapareceram algumas antenas dos telhados, especialmente
aquelas que já permitem a recepção da TDT.

Dos quintais das residências em Alvalade desaparecem quase todos os dias
todo o tipo de objectos.

Esta noite foi a vez da Casa do Povo ser mais uma vez alvo de uma tentativa
de assalto às instalações da sede.

Nos montes/herdades tem havido uma autêntica razia de roubos de tudo o que
pode ter valor e/ou uso.

Apesar disso, da junta de freguesia não se ouve um pio nem uma tomada de
posição sobre a insegurança e a onda de roubos e assaltos que se vive em
Alvalade, EXIGINDO mais segurança e meios.

Os alvaladenses estão entregues apenas a si próprios, como se não tivessem
ninguém que os defenda e represente os seus interesses.

É a vida...""


publicado por cpalvalade às 00:15


E a resposta da Junta de Freguesia:

QUINTA-FEIRA, 3 DE MAIO DE 2012
ESCLARECIMENTO DA JUNTA DE FREGUESIA SOBRE A ONDA DE ASSALTOS NA FREGUESIA
"Caros Associados da Casa do Povo de Alvalade,

Na sequência do email relativo à falta de segurança na Freguesia de
Alvalade venho por este meio esclarecer que a Junta de Freguesia tem levado
a cabo várias iniciativas para reclamar e exigir à Tutela (Ministério da
Administração Interna) soluções relativamente à falta de segurança, falta
de meios e falta de efectivos que o posto territorial da GNR enfrenta.

A segurança dos nossos fregueses tem sido desde sempre uma preocupação e
uma bandeira deste executivo da Junta de Freguesia, que sempre tem tentado
arranjar soluções para resolver os problemas que todos nós sentimos no
nosso dia-a-dia. Várias foram as reuniões que tivemos com os responsáveis
do governo pelas forças de segurança, quer através do governador civil,
quer através do Secretário de Estado, conseguindo através da última reunião
com a tutela aumentar o número de efectivos do posto em mais dois.

O problema que nos aflige parte da falta de investimento desde há muito
pelo governo nas forças de segurança, e também numa mudança de estratégia
de reorganização dos postos territoriais, sendo que muitos têm encerrado
aqui bem perto de Alvalade, coisa que ainda não aconteceu aqui na
freguesia, provavelmente pela insistência e luta da Junta de Freguesia de
Alvalade e da Câmara Municipal de Santiago do Cacém.

Informo ainda que relativamente à manutenção do posto da GNR na freguesia,
e após ter sido feita a transferência dos alunos da Escola Básica do 1º
Ciclo de para a EB 2º e 3º Ciclo, por proposta da Comissão Social de
Freguesia, a Junta de Freguesia de Alvalade solicitou à Câmara Municipal de
Santiago do Cacém que cedesse a titulo gratuito, ao Ministério da
Administração Interna, parte do edifício para ser reabilitado e dotado de
condições para ser instalado o posto territorial da GNR. A Câmara contactou
a tutela, a qual já respondeu através do comandante de destacamento de
Santiago, agradecendo a disponibilidade do município para ajudar as forças
de segurança, sendo que irão ter em conta esta solução apresentada pela
Junta de Freguesia e Câmara Municipal.

Pese embora todas as diligências que temos feito junto dos responsáveis
pelas forças de policiais, a insegurança da população não diminuiu, pois
cada vez existem mais casos de delitos e furtos não só nesta mas em muitas
freguesias do País. A instabilidade social que está a ser causada pelas
medidas de austeridade aprovadas pelo Governo tende a piorar e estes
delitos são sem dúvida fruto da precariedade a que as populações chegaram.
Para combater esta insegurança são necessários mais meios humanos e
materiais, coisa que o Governo actual terá de resolver, contudo a Junta de
Freguesia de Alvalade está sempre disponível para colaborar com as forças
de segurança, desde ao mais básico problema como por exemplo a cedência de
lenha para aquecimento dos militares ou a cedência de um edifício para o
futuro posto.
Espero assim ter esclarecido os associados da Casa do Povo de Alvalade
acerca da situação das questões de segurança na Freguesia, deixando aqui o
convite para em caso de alguma dúvida acerca deste, ou outro problema, que
fosse solicitado à Junta de Freguesia informações que possam esclarecer a
situação."

Com os melhores cumprimentos,

O Presidente da Junta de Freguesia

Rui Madeira